4 dicas para ter uma boa gestão financeira na escola

Escola em Movimento > Blog > Arquivo Aplicativo Escolar > 4 dicas para ter uma boa gestão financeira na escola

4 dicas para ter uma boa gestão financeira na escola

Postado por: admin
Categoria: Arquivo Aplicativo Escolar

O grande objetivo do gestor escolar é que todos os alunos aprendam. Para conseguir bons resultados pedagógicos, contudo, é preciso ter a casa bem arrumada do ponto de vista financeiro.

A gestão financeira na escola deve ser, portanto, uma preocupação anterior, que dará uma base sólida para as demais atividades.

Desempenhar um bom trabalho nesse quesito garante um melhor aproveitamento das verbas, economia de tempo, melhoria nos resultados, diminuição de gastos e desperdícios.

4 dicas para ter uma boa gestão financeira na escola
Para boa gestão financeira na escola é necessário estabelecer bem as prioridades. Foto: Reprodução.

E a gestão financeira pode ser realizada de forma simples e eficiente. Seguindo os princípios de responsabilidade e transparência, organizamos uma lista com quatro passos para ajudar o gestor na tarefa. Venha descobrir!

Defina as prioridades

Em qualquer escola há sempre muito o que fazer, diversos pontos a se investir e melhorar. É provável que seja impossível realizar todos os investimentos de uma só vez. Por isso é importante definir uma lista de prioridades.

Para saber o que é mais revelante, deve-se olhar para o dia a dia escolar e seguir os preceitos do projeto político-pedagógico.

As escolas podem, ainda, adotar uma postura democrática e ouvir a opinião de professores, funcionários, pais e alunos, para saber de todos os envolvidos o que eles mais desejam. Agindo dessa maneira, o gestor mantém a coerência com os valores da escola e respeita a comunidade.

Estime gastos de forma realista

Uma vez definidas as prioridades, chega a hora de colocar no papel o quanto cada ação custará.

Deve-se começar pelas despesas fixas e obrigatórias, como salários, contas de consumo, impostos, materiais.

Embora haja variações em algumas delas, pode-se conseguir uma boa estimativa olhando para os gastos do ano anterior. Só então entram os investimentos e melhorias.

Quando se vai contratar um novo serviço, realizar uma obra ou reparos, vale a regra de ouro de qualquer compra: pesquise preços. Recomenda-se pedir no mínimo três orçamentos.

Elabore o orçamento

Com a projeção de custos, gastos operacionais e necessidades de investimento, fica fácil elaborar o orçamento. Ponha todos os dados em uma planilha ao lado da receita esperada.

Será esse o documento que vai balizar — e justificar — os aumentos nas mensalidades de um ano para o outro.

O orçamento também é uma ferramenta indispensável para o planejamento financeiro, pois ele permite ao gestor acompanhar mês a mês o desempenho real com o esperado, ir fazendo ajustes ao longo do percurso caso algumas despesas fiquem acima do planejado, e assim garantir a saúde financeira da escola.

Faça a prestação de contas

Apresentar o balanço financeiro é uma forma de demonstrar transparência e honestidade com a comunidade escolar. O recomendável é disponibilizar um resumo, que pode ser fixado em um mural, ficar à disposição dos pais na secretaria, ou ser apresentado nas reuniões — melhor deixar as planilhas completas, por conterem os salários dos funcionários e docentes, reservadas.

Ao prestar contas, os pais se sentem respeitados, sabem para onde a escola está caminhando, e podem compreender se certas melhorias pedidas não forem entregues no prazo, por exemplo. Há ainda outras maneiras para o gestor evitar que os pais fiquem insatisfeitos com a escola; leia aqui.

Seguindo esse passo a passo, fica fácil fazer a gestão financeira na escola de forma eficiente. Assim sobra mais tempo para se dedicar ao processo de ensino-aprendizagem. Você já pratica todos esses passos? Tem dúvidas sobre algum dos itens? Deixe aqui seu comentário!